O entorse de tornozelo é uma das lesões mais comuns na sociedade, estima-se que a cada dia se produz 1 lesão no ligamento de tornozelo por inversão, por cada 10.000 habitantes. Representa 38% das lesões do aparelho locomotor e em relação aos esportes o 40-50% de lesões no basquetebol, 16-23% em futebol, 20% atletismo.

Conforme explica  José Santos, secretário-geral do Colégio Profissional de Fisioterapeutas da Comunidade de Madrid, um entorse de tornozelo é um rasgo no tecido parcial ou total dos ligamentos, as bandas fortes de tecido que cruzam as articulações e conectam os ossos entre si, que suportam o tornozelo ao realizar um movimento, chamado de inversão do pé.
O ligamento serve como estabilizador de uma articulação, neste caso, o tornozelo torcido para um lado ou outro, ocorrendo uma ruptura de ligamentos ou entorse, diz Santos.

O mecanismo típico de lesão ocorre por investimento após uma queda ou torção súbita do tornozelo, como por exemplo, andar em uma superfície irregular ou em um buraco, um mal passo, correr, saltar ou aumentar ou diminuir o passo ou fazendo exercício ou praticando esportes.

Primeiros socorros de uma entorse

Os sintomas mais comuns são a impotência para caminhar, dor local, inchaço da articulação e hematomas ao redor do tornozelo. A dor piora ao caminhar, ficar de pé, pressionar na área inflamada ou mover o tornozelo para dentro. Segundo Santos, é possível que se sinta incapacidade para mover a articulação do tornozelo, sem sentir dor e até ouvir um estalo na articulação, no momento da lesão. Se acreditamos ter um entorse o fisioterapeuta aconselha:

  1. Tente não andar nem apoiar o pé afetado
  2. Aplicar frio: devemos conseguir uma bolsa de gelo para aplicá-la de imediato na área com o fim de evitar um maior derramamento e inchaço. “Se estamos em casa há soluções como a bolsa de gel frio ou o saco de ervilhas congeladas”, diz o fisioterapeuta.
  3. Elevar a área, para ajudar a que o inchaço não aumente em nossa articulação no entanto Santos avisa que não adianta estar sentado, com o pé em cima de uma cadeira.”O melhor é estar deitado e colocar a articulação acima do nosso tronco para realmente ajudar a drenar nossa articulação tumefacta”.
  4. É importante tratar o entorse e não esperar que ele ‘cure’ só: é necessário ir ao médico o quanto antes para confirmar o tipo de entorse que sofremos e descartar futuras lesões, tais como rasgos ou ruptura do ligamento ou fissuras ósseas.

“Uma entorse não curada ou mal curada, pode causar más adaptações que levam a um mau funcionamento de outras estruturas, como o joelho, episódios de dores lombares ou cervicalgias, sem causa aparente, quando, na verdade, esconde uma lesão de tornozelo não tratada”. Quanto à possibilidade de realizar um tratamento de fisioterapia, Santos aponta que este pode começar após a lesão, uma vez confirmado o diagnóstico pelo médico especialista.

Então, o fisioterapeuta realiza seu diagnóstico funcional para determinar o tratamento de fisioterapia mais adequado para o paciente e o tipo de lesão que sofreu. O restabelecimento os exercícios indicados são direcionados para conseguir aumentar a amplitude de movimento (limitado pela inflamação e dor), fortalecer a musculatura (para evitar a instabilidade articular a longo prazo e novas lesões), trabalhar o equilíbrio e a coordenação, quando já é possível suportar sem dor, ou realizar atividades específicas em função do trabalho ou esporte para voltar à atividade.

Diminuindo o risco de entorse

Aproximadamente entre 10-30% dos pacientes que sofreram entorse de tornozelo sofrem sequelas residuais. Esta patologia residual varia desde instabilidade funcional, que pode resultar em um entorse recorrente, inflamação, dor recorrente e instabilidade mecânica. Mas Santos diz que muitos entorses de tornozelo não se podem evitar, no entanto, pode diminuir o risco de entorse se você seguir os seguintes conselhos:

  • Descansar ao sentir cansaço ao fazer esporte ou exercício.
  • Fazer exercícios que fortaleçam os músculos da perna e do pé.
  • Usar o calçado adequado para a atividade que vamos realizar.
  • Aprender as técnicas adequadas para realizar exercício ou praticar esporte: isso diminuirá o estresse em
  • todos os músculos, ligamentos e tendões.
  • Se tiver havido, anteriormente, uma lesão de tornozelo não tratada é mais provável sofra de novo, por isso mesmo que já não exista dor, há que concluir o tratamento de fisioterapia com o seu respectivo reforço e trabalho proprioceptivo.
  • Não utilizar tornozeleiras, a menos que esteja indicado pelo grande flacidez e instabilidade do tornozelo do paciente. Esta prática não impede a lesão, em vez de fazer isso nos faz dependentes ao não permitir que o corpo que trabalhe com normalidade a nível circulatório, além disso, os receptores sensitivos que existem na articulação acabam alterados.